Sistemas de refrigeração para golpe de calor

Tradicionalmente a filosofia de trabalho ganadeiro tem sido a de minimizar custos mantendo os resultados aceitáveis. Esta forma de trabalhar tinha sentido quando o objetivo era substituir é só contava com genética de alta rusticidade, a “ração” produzia-se em casa e o alojamento disponível era um pobre coberto. Mas a situação atual maioritária e a da economia em escala e da otimização técnica do processo.

As aves com as que contamos hoje com as antes, são como que um Ferrari a um quatro latas. Com este paralelismo quere-se destacar que já não vale cuidar-las de qualquer maneira, se lhe posemos um óleo barato ao motor de um Ferrari, já não é que seja seguro que não chegue ao seu máximo rendimento, senão que muito provavelmente estragamos o motor. Assim que convém cuidar com esmero todos os aspectos do manejo, já não por o motivo principal de maximizar a produção, senão pelo risco de perde-la totalmente pela incapacidade dos animais de suportarem umas condições para as quais não estão preparados.

No que respeita ao ambiente, as aves apresentam em função da idade e da estirpe umas condições ideais de temperatura e humidade, duas variáveis muito interrelacionadas. Dentro de estas gamas sentem-se confortáveis e o seu metabolismo destina o mínimo necessário do controle da temperatura corporal, pelo que podem destinar a maior parte do alimento a produzir. E quando saímos destes ranhos que começamos os problemas.

[Para ler o artigo completo download pdf]

Baixar em PDF